">
contato@cienciascontabeis.com.br
contabilidade

Abrir ou não abrir um escritório de Contabilidade? – Entrevista

Publicado em 11/02/2015

Pergunta difícil…

O sonho de se tornar um empreendedor vem crescendo no Brasil a cada ano, porém muitos começam o seu empreendimento sem qualquer informação, simplesmente pela vontade de se tornar dono do próprio negócio. Após o exame de suficiência contábil, muitos recém-formados estacionam na dúvida sobre torna-se um “dono de escritório”.

Para sanar algumas dúvidas, entrevistamos dois contadores, que decidiram abrir seus escritórios logo a após a formatura, para compartilhar conosco suas visões e dificuldades enfrentadas.

O Contador Jânio Márcio Moreira, representando a Athenas Assessoria Contábil, que abriu suas portas em fevereiro de 2014.

A Contadora Jéssica Aparecida Andrade, representando a Andrade Contabilidade, inaugurada em agosto de 2013.

Qual a principal motivação e como foi tomada a decisão de abrir um escritório de contabilidade?

Jânio Márcio Moreira – Antes de decidir abrir um escritório, eu já havia trabalhado em outros dois escritórios como empregado. Foram 17 anos de experiência. Cursei o curso técnico em contabilidade e depois a graduação em ciências contábeis. Então, acreditava que já estava na hora de seguir meu caminho.

Jéssica Aparecida Andrade – A principal motivação vem da ideia de independência de não ter chefe, e de uma possível flexibilidade durante a carreira contábil. A decisão de abertura do escritório partiu de um dos sócios, este meu irmão. Ele com mais tempo no mercado de trabalho, e insatisfeito com a cansativa rotina e intensa subordinação. Como estava no termino do curso de Ciências Contábeis aceitei a proposta, retornei para minha cidade natal, e demos início ao nosso sonho.

Em relação ao planejamento? Quais os quesitos básicos que devem ser levados em consideração antes de abrir um escritório?

Jânio Márcio Moreira – Alguns aspectos devem ser analisados: 1º experiência; 2º formação na área; 3º uma boa rede de contatos; 4º capital.

Jéssica Aparecida Andrade – A parte do planejamento foi uma das mais difíceis. Às vezes o planejado não sai como esperado. Pelo fato da cidade ser no interior, e já possuir profissionais contábeis com carreira consolidada na área de escritório, o principal foi escolher uma boa localização para o escritório. Um orçamento foi feito com os gastos que teríamos: máquinas e equipamentos, sistema contábil (análise dos mais utilizados no mercado e custo beneficio), móveis, compra antecipada de material de escritório (para diminuir gastos futuros), e principalmente a criação da logo e sua divulgação.

Utilizamos divulgação por rádio, patrocínio em eventos da cidade, divulgação “boca-a-boca” com nosso cartão de visita (este com logo, nomes dos sócios, endereço, email e telefones do escritório).

Para uma maior aceitação, marcamos uma data de inauguração das instalações e convidamos os principais empresários e empreendedores da cidade, amigos e parentes.

Quais as principais dificuldades enfrentadas?

Jânio Márcio Moreira – Antes de abrir as portas acredito que para a maioria dos novos contadores, a maior dificuldade é possuir os 4 quesitos básicos da pergunta anterior. Já depois do escritório inaugurado, vem à concorrência desleal, a inadimplência, e à medida que o escritório cresce, o próximo passo é montar uma equipe competente.

Jéssica Aparecida Andrade – Enumero 4 maiores dificuldades:

A principal dificuldade é o investimento financeiro inicial, pois nos primeiros meses é muito difícil ter um retorno do empreendimento. É essencial que tenha um valor poupado para suprir os custos e despesas neste período. Outra dificuldade é estabelecer o negócio diante dos colegas de profissão que já possuem uma carreira consolidada e uma carteira de clientes ampla.

Uma das mais complicadas é a qualificação para atender a demanda dos serviços. A legislação fiscal, contábil, e trabalhista são extensas, o que exige do profissional uma procura por cursos com didática prática. Só quem conhece a rotina de um escritório de perto entende as inúmeras obrigações que devem ser atendidas mensalmente. Os estágios e as disciplinas práticas vistas em graduação ainda são muito poucas para que o profissional tenha um bom desempenho para atuar em um escritório.

Outro ponto que é difícil lidar no inicio é estabelecer uma tabela de preços dos serviços ofertados pelo escritório. O sindicato da classe até divulga uma tabela de honorários, mas é difícil se basear por conter preços fora da realidade, principalmente para cidade do interior. Fizemos uma pesquisa de mercado, mas ainda é difícil concorrer com outros escritórios, pois alguns trabalham com honorários a valor baixo. É sempre bom ao estabelecer contrato com novos clientes, destacar a qualidade do serviço e fazer uma negociação do valor dos honorários e suas possíveis alterações; levando em conta seus custos, despesas, tempo necessário para o serviço e sempre temos que esquivar das pechinchas.

Como anda o mercado na área contábil? O que você espera desse ramo?

Jânio Márcio Moreira – Ano passado acreditava que em 2015 poderia ser um pouco melhor, mas a crise econômica e política que o país vem atravessando estão me deixando desanimado.

Jéssica Aparecida Andrade A área contábil sempre possui demanda de serviços. É necessário ter paciência e dedicação para começar obter maiores lucros. Muitos empresários esperam do escritório uma assessoria maior, um parceiro para seu negócio. Como em todo mercado, alguns são mais valorizados do que outros, depende da qualidade do serviço ofertado.

A esperança é que o Contador seja mais valorizado diante das novidades propostas pelo Governo, através da alteração de várias obrigações acessórias, e assim necessidade de maior qualificação por nossa parte. Infelizmente, muitas vezes o Contador é visto como uma obrigação a pagar mensalmente, e não como um auxílio e assessor na tomada de decisões do empreendimento, por parte dos empresários ainda falta muito reconhecimento.

Em relação à qualificação profissional. O mercado tem ofertado bons profissionais?

Jânio Márcio Moreira – Quanto à formação acadêmica acredito que sim, mas o contador recém-formado encontra muitas dificuldades quando o assunto é experiência. O meu conselho é continuar estudando, se mantendo atualizado, participando de congressos, seminários, palestras e cursos.

Jéssica Aparecida Andrade – Em relação aos profissionais ofertados pelo mercado, percebe-se a crescente busca pela qualificação, através de cursos técnicos e graduação a distância. Mas é difícil encontrar profissionais com experiência na área, e com qualidades pertinentes para atuação na área. Muitos possuem qualificação técnica, e faltando a parte “prática”. A solução é o treinamento por parte do escritório, mas isso demanda tempo.

Levando em consideração sua experiência pessoal, como é gerenciar um escritório de contabilidade? E quais os planos para o futuro?

Jânio Márcio Moreira -A responsabilidade é muito grande. O contador titular deve ser exemplo para os demais da equipe, sempre compromissado com o bom andamento do escritório, a relação com os clientes. Se manter sempre antenado nos assuntos que envolvem a área contábil, pois os colaboradores, clientes e até mesmo os colegas de outros escritório o terá como referência.

Quanto ao futuro, se o profissional sempre se preocupar em oferecer serviços contábeis de qualidade, se mantendo atualizado e sabendo conduzir bem sua equipe de trabalho, com certeza ele será bem sucedido.

Jéssica Aparecida Andrade – Gerenciar um escritório contábil é uma tarefa de extrema responsabilidade. Devido à diversidade de empresas atendidas, e as obrigações pertinentes a cada atividade. Sempre temos a preocupação da qualidade do serviço ofertado, do tempo hábil de atender as necessidades do cliente, e da qualificação profissional em relação a legislação vigente. É importante sempre por parte do profissional: dedicação, atualização constante, organização (planilhas e tabelas sempre ajudam), planejamento constante, e possuir bom relacionamento com clientes, funcionários e fornecedores.

Para o futuro almejo: fidelização da clientela, maior consolidação no mercado, e ampliação dos negócios. Neste início de 2015 já fechamos parceria com escritório de serviços advocatícios, para um serviço mais qualificado e uma ampliação de nossa marca. É sempre bom inovar e procurar ofertar um serviço mais qualificado e ampliado.

Para aqueles que pretendem ingressar neste ramo, indico que pesquisem bem a demanda e oferta de serviço contábil na localização pretendida. Façam cursos de capacitação das principais obrigações acessórias exigidas pela legislação (principalmente trabalhista e fiscal). E o principal tenham perspicácia e paciência, com o tempo o negócio engrena, e o esperado retorno vem.

Aos que pretendem, futuramente, abrir um escritório, ficam as dicas desses dois profissionais que decidiram encarar esse novo desafio em suas carreiras e enfrentar as dificuldades na busca de uma melhor qualificação, independência e sucesso profissional. Há também este curso que pode lhe servir como apoio.

 

Dúvidas, não deixe de comentar!

 

Andrade Contabilidade. Serviços: Abertura e Encerramento de Empresas; Contabilidade em Geral e assessoria para MEI, Micro Empresas e Empresas Pequeno Porte; Departamento Pessoal para Produtores Rurais e Empregadores Domésticos; Declaração IR pessoa física; Declaração ITR; Inscrição Cadastro Produtor Rural; Regularização em órgãos competentes para empresas; Regularização CPF; Serviços de Contratos e Procurações diversas; Terceirização de serviços contábeis para Câmaras Municipais. Contato andradecontabilidade.ac@gmail.com

Athenas Assessoria Contábil.Serviços contábeis nas áreas Contábil, Fiscal, Tributária, Trabalhista e Previdenciária. Assessoria e Consultoria Empresarial, Contábil, Fiscal, Tributária, Trabalhista e Previdenciária para Pessoas Jurídicas e Físicas. Contato athenascontabil@ig.com.br

É... foi um bom artigo, não? ;)
Assine e receba GRATUITAMENTE as melhores dicas relacionadas à contabilidade!
Sobre o Autor
Contadora formada pela UNIMONTES - Universidade Estadual de Montes Claros, Pós-Graduada em Gestão Empresarial e Gestão de Pessoas. Atualmente trabalha na Coordenadoria de Execução Orçamentária e Financeira do IFNMG e Professora de Contabilidade, Administração e Escrita Fiscal na Microlins